contador mensal
Visit http://www.ipligence.com
Sábado, 10 de Maio de 2008
Finalmente. Vejo-a tão poucas vezes, agora, que o seu aparecimento é um grande acontecimento. Veio ligeira, feliz, realizada, cheia de projectos e novidades, e fotos da sua vida actual... e com a solidariedade que a caracteriza. Não demorou muito tempo, mas veio. Deixou o quarto onde vivia e trocou-o pela sua privacidade, encontrada num na forma de um T1, nas águas furtadas de um prédio do centro da grande cidade. Mostrou as fotos da casa - muito espaço, imensa luz. A decoração já está desenhada na sua imaginação. A principal preocupação - torná-lo confortável. E vai consegui-lo.Tudo surgiu muito depressa na sua vida - o fim do curso, o estágio e o emprego. A independência traduzida num quarto alugado, pago pelos pais, na baixa da cidade. O estágio não era remunerado. Mesmo no final do período de estágio, a desistência de uma colega, que optou pelo melhor salário oferecido pela concorrência do ramo, a vaga aberta, o ambicionado emprego e uma carreira que começa a desenhar-se apoiada numa ambição justa e num desafio de dar o seu melhor naquilo que faz. É uma rapariga destes tempos, como tantas outras. Com interesses idênticos e sonhos.Curiosamente, não foi a idade que nos aproximou, mas as viagens diárias que fazíamos na direcção da capital, naqueles comboios longos, incansáveis que se fartavam de engolir e vomitar gente, em estações e apeadeiros. Ainda me lembro desse dia. Apanhámos o inter-regional, e ficámos sentadas num compartimento, com os dois bancos presos às paredes opostas. As bagagens num suporte, por cima das nossas cabeças. Ficámos à frente uma da outra. Ao lado dela, uma senhora de idade relembrava as circunstâncias dolorosas em que perdera o marido, quando trabalhava na linha do comboio e fora colhido bruscamente por um comboio, e lhe roubara a vida demasiado cedo. Olhávamo-nos ocasionalmente, numa cumplicidade intensa. Ela não suportava mais ouvir aquela senhora que revivia incessantemente aqueles momentos de há vinte anos atrás, e que nunca mais ultrapassara. Ainda me lembro do seu rosto distorcido, numa careta improvisada e cautelosa, que não demorava mais do que um instante. Apontou-nos o local. Não se lembrava já muito bem. Era mais à frente ou mais atrás, mas era aquele sítio. Impressionadas com as lembranças e o profundo sofrimento daquela alma que nunca mais reencontrara a paz, fingimos interessar-nos pelo local. Quando a senhora saiu, pudemos, finalmente, falar à vontade. Simpatizámos uma com a outra e trocámos os contactos. Como vivíamos na mesma localidade, não era difícil encontrarmo-nos.
Foi uma amizade que duraria até aos dias de hoje. Somos diferentes, não só na diferença de idade como no temperamento, como na maneira de pensar, mas isso nunca foi impedimento para uma boa, forte e longa amizade. Mesmo a distância, o silêncio prolongado, a que nos vemos sujeitas, devido às circunstâncias da vida, o sentimento está lá.

Fátima Nascimento


publicado por fatimanascimento às 02:56
mapa anual
Visit http://www.ipligence.com
Mapa diário
mais sobre mim
Maio 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

12
13
14
15
16
17

18
20
21
22
23
24

26
27
28
29
30
31


links
pesquisar neste blog
 
contador
leitores on line
blogs SAPO