Sexta-feira, 24 de Agosto de 2007
O espelho foi quase sempre para mim uma superfície mágica onde eu via o meu rosto reflectido ocasionalmente, de passagem em qualquer divisão da casa ou de uma casa de banho. Nunca fui, nem sou, uma pessoa que perca muito tempo com a aparência física, embora reconheça que a maquilhagem realça as qualidades do rosto. A minha única preocupação é o peso, sobretudo por razões de saúde, e também estéticas, mas nunca me senti escrava das linhas corporais, e nunca deixei de comer o que me dava prazer, só para manter o que me parecia adequado. Nem as estrias ou o tão proclamado tecido adiposo que, aglomerado em certos locais do corpo, tanto parecem afligir as mulheres. Sempre me senti um pouco diferente, no que respeita a essas preocupações estéticas. Não me perguntem porquê, talvez nem eu saiba a razão… toda a vaidade parece ter sido erradicada do meu ser. Talvez porque sempre achei que fisicamente não era nada de especial, talvez daí o desinteresse por mim própria ou a aceitação total daquilo que sou. Preocupo-me em andar asseada e em ter roupa e calçado confortáveis, mais nada… desde que eles não me façam parecer um balão ou me prendam os movimentos! Desde muito pequena que a liberdade de movimentos é, para mim, fundamental. Uma peça de roupa justa ou de cerimónia, eram uma tortura, e eu evitava vestir. Para além do conforto, as peças de roupa têm também de ser suaves no contacto com a pele, práticas ao vestir, e resistentes. Bastava falhar uma dessas características, para eu nunca mais vestir essa roupa.
Com o meu corpo, cumpro as regras básicas para o manter saudável e é tudo. O cabelo, quase sempre curto, é uma exigência do próprio que é muito seco e estraga-se com facilidade. Não digo que não gostava do meu cabelo dos doze anos, comprido a roçar os ombros e cheio de canudos largos e sedosos, numa fotografia de praia onde excepcionalmente me gosto de rever, mas, como pessoa prática que sou, mantenho-o curto, saudável e penteado. Pelo menos, eu tento… mas também não me preocupo se ele, por qualquer razão alheia à minha vontade, está despenteado. Aliás, gosto de sentir o vento no meu cabelo. Como também tenho pouco tempo para dedicar ao meu aspecto físico, trato só de eliminar os inestéticos pêlos, que aparecem com a adolescência. Mas mesmo estes, por vezes, escapam à escrupulosa busca… tão pouco é, para mim, motivo para deixar de sair à rua.
Uma tarde destas, entrei na casa de banho e olhei-me ao espelho com já há muito não o fazia. Olhei com a tenção o meu rosto, pela primeira vez, desde há muito tempo. Já me havia esquecido de muitas das suas particularidades. Não me refiro à passagem do tempo. Esse está lá! Refiro-me às pequenas características… os meus olhos. Esquecera-me como eles são tão diferentes no inverno e no verão. No Inverno assumem o castanho escuro límpido que, com a primavera, começam a delinear, à volta das íris, um cordão cinzento azulado. No verão, a íris toma reflexos castanhos claros esverdeados sempre rodeados desse cordão cinzento azulado. É como se de uma palete de cores se tratasse, todas elas límpidas e sabiamente misturadas, pelo hábil pintor.
Foi ao olhar profundamente nos olhos da minha carochinha, tão semelhantes aos meus, que eu me lembrei desse pormenor…foi o seu reflexo que me fez lembrar de mim! Também os dela tomam, para além do puro castanho igual ao meu, o mesmo cordão cinzento azulado que limita exteriormente a sua íris. Também os dela tomam essa mesma palete de cores magistralmente misturadas…


publicado por fatimanascimento às 07:15
Sábado, 04 de Agosto de 2007
Ter uma filha aos 39 anos foi, para mim, uma bênção inexplicável, em todos os sentidos. Veio numa fase difícil da minha vida, a separação e consequente divórcio, mas trouxe-nos a esperança numa vida nova. Desde que nasceu que ela se tornou o sol do lar, e todos nós, quais planetas, giramos todos um pouco à sua volta. Fez os irmãos crescer, (a irmã mais velha, desde que a mais nova nasceu, deixou de brincar com bonecas) e deu mais estabilidade emocional ao irmão. Para ela, ter dois irmãos mais velhos, trouxe-lhe também os seus benefícios, uma vez que começou a falar e a andar muito cedo, imitando os irmãos e tentando acompanhá-los o mais possível. Depois, a diferença de idades, tem oito anos de diferença da irmã do meio e onze do mais velho, fez com que encontrasse neles o apoio emocional tão necessário aquando das minhas prolongadas ausências por motivos de trabalho. Com a separação, perdi a possibilidade de trabalhar junto de casa e acabei por me deslocar, para cerca de duzentos quilómetros, onde me encontrava efectiva. Chegava na Sexta-feira à noite e partia no Domingo à noite. Lembro-me da alegria sempre que eu entrava em casa dos meus pais, para os levar para nossa casa, durante aquelas horas. Lembro-me da luta que foi para a tentar levar comigo, mas o preço do infantário acabou imperiosamente por ditar as cruéis leis da separação. Os irmãos também ficaram, claro. Pelo menos, durante a minha ausência, ela tinha assim grande parte do seu agregado familiar junto dela, ao fim da tarde. E sempre a protegeram, na medida das suas possibilidades. Foi o ano em que ela começou a dar os primeiros passos. Lembro-me da euforia dos irmãos, que, ao telefone, me contavam os prodígios que ela ia conseguindo fazer, na sua tenra idade. É claro que não aguentei, e tive um esgotamento. A ansiedade, a preocupação, a separação, as viagens, o trabalho... foram uma montanha demasiado difícil de transpor. Depois, a vida serenou, um pouco, com a aproximação de casa e a mudança do local de trabalho, para uma cidade mais próxima, ainda que longe. Foi o ano dos planos de mudança de vida, mas meu filho não se adaptou e tivemos de regressar. Novo concurso. Já com o trabalho quarenta e cinco minutos de casa, a uma velocidade média de oitenta quilómetros, e mesmo neste último ano, em que estive mais perto (mas, infelizmente, não melhor) tínhamos alguns dias da semana em que nos tínhamos de levantar mais cedo e, quando o tempo escasseava, eu pedia-lhe que se vestisse, enquanto lhe preparava a papa matinal. Qual não era o meu espanto, quando, passados alguns minutos a encontrava sentada na cama, toda vestida, lutando fortemente contra o sono, do esforço que fazia por conseguir engolir a papa, quando conseguia... Nesses dias, era a primeira a chegar ao infantário, onde esperava cerca de duas horas pelos outros meninos que, invariavelmente, por volta das nove horas.
De todos os meus filhos é a que mais se parece comigo, quando tinha a idade dela. Os cabelos castanhos claros, os olhos castanhos escuros, com o mesmo círculo de um azul acinzentado à volta da íris, o rosto largo e um corpinho roliço. Desde muito cedo que aprendeu a ser autónoma, e, ainda hoje, há muitos aspectos da vida quotidiana que ela domina largamente. O vocabulário alargado, recheado de palavras abstractas que ela aplica com muita lucidez nas suas conversas, as pequenas responsabilidade que assumiu desde cedo, a sua dádiva emocional aos entes queridos, fizeram dela uma criança muito especial. É uma criança que não precisa de dormir muito e acorda bem disposta, após alguns minutos de sono. É uma criança que ainda agora não cessa de nos surpreender. Um dia destes, desalojou o irmão do messenger, onde já se encontrava há algumas horas, pedindo-lhe que lhe pusesse determinado jogo do miniclip, explicando-lhe onde devia ir, quando o irmão, resistindo aos seus pedidos, se justificava que não sabia, para a despachar.
- É simples, Bruno. Vais ao http://www.miniclip.pt/! - explicava-lhe ela já algo impaciente, de mãozita estendida para o ecrã do monitor.
O irmão acedeu de má vontade, pensando que ela desistiria passados poucos minutos. Mas ela cresce face às dificuldades e passados esses minutos, ainda ela estava frente ao monitor, explorando todas as possibilidades daquele jogo simples. Ele voltou, anunciando que ia brincar, e voltando, desconsolado, as costas ao computador onde a irmã, entusiasmada ainda se debatia. Foi aí que ela não resistiu, respondendo que o acompanharia. Ele voltou-se admirado para mim.
- Mãe, mãe... olha para ali! Ela está a desligar o computador. - alertou-me ele, emocionado. A partir dali, quando um dos irmãos se esquece de desligar o computador, ela faz esse trabalho. Também se parece comigo em muitos aspectos. Sempre que acontecia entrar na Valentim de Carvalho, onde ia frequentemente, ela, ao contrário dos irmãos que passavam o tempo todo à minha volta, como mosquitos à volta da luz no verão, a questionar-me sobre o momento da partida, ela dirigia-se à secção das crianças, pegava num livro e distraía-se vendo as ilustrações, e apontando todas figuras que conhecia dos desenhos animados. Também nunca foi uma criança de exigente, sempre que lhe explicava que não podia, ela, embora, por vezes, muito triste, sempre acatou as minhas decisões e explicações relativas ao não que recebera. De tudo quanto ela tem e que nós amamos muito, há sobretudo o riso espontâneo, muito alegre e solto, resultante das brincadeiras com os irmãos durante os jogos... é uma pequena gigante presença nas nossas vidas.


publicado por fatimanascimento às 23:57
mais sobre mim
Agosto 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
25

26
27
28
29
30
31


links
pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO