contador mensal
Visit http://www.ipligence.com
Domingo, 25 de Maio de 2008
Era um edifício pequeno e acolhedor. À entrada, o largo portão azul, no cimo da íngreme ladeira, abria os braços às bocas esbaforidas e ao rosto vermelho do esforço da subida. O impiedoso sol estival esgrimia os seus raios na direcção dos audaciosos aventureiros que ousavam importuná-lo àquela hora da tarde. O espaçoso pátio empedrado, de estreitos canteiros rectangulares, evidenciava os seus pequenos arbustos frondosos e coloridos que ladeavam a passagem de acesso ao edifício. O interior, submerso na fresca obscuridade das cortinas corridas, desprendia um silêncio acolhedor só interrompido pelas tímidas vozes sussurrantes ou pelo ruído dos passos abafados, espelhados na cera polida dos tacos largos. O agradável cheiro a cera fresca inundava a sala disputando a sua supremacia ao das folhas amareladas e finas dos livros muito manuseados.
A senhora da recepção, debruçada sobre os papéis da secretária, levantou a cabeça à minha chegada. Os óculos de lentes pequenas, equilibrados na ponta do nariz, agravavam o ar austero, que o seu olhar seco projectava em mim. A boca de lábios finos, abriram-se para pronunciarem um breve “Sim?!”. Depositei os livros em cima da mesa, que me haviam feito companhia nos últimos quinze dias e que haviam percorrido todo o caminho aconchegados ao meu peito suado. Entrei na sala. Duas ou três cabeças espalhadas pela sala de leitura, de olhos cravados nos livros, nem deram pela minha chegada. Dirigi-me aos armários, de estantes irrepreensivelmente limpas, guiada pelas instruções prévias da senhora. Olhei os armários cujos vidros, protegidos por uma espécie de rede metalizada, guardavam fielmente o seu tesouro. A madeira das portas, ligeiramente inchada pelas humidades dos Invernos mais rigorosos, dificultava a tarefa da sua abertura. Os livros, de tamanhos e grossuras variados, perfilados nas estantes, jaziam adormecidos, totalmente alheios ao ar morno destilado da brisa que atravessava as cortinas fechadas, sacudindo-as mansamente. O ruído da porta a desprender-se do seu encaixe, fez levantar as cabeças, antes absortas, dos vários cantos da sala de leitura. A senhora da recepção acudiu solicitamente, alarmada com o ruído. Depois de uma breve inspecção, e vendo que nada fora danificado, ela explicou que aquela porta necessitava da intervenção urgente de um carpinteiro que demorava em vir. Muito vermelha por ser o centro inesperado das atenções da sala, e de coração ainda a bater apressadamente, apressei-me a acenar em sinal de concordância. Uma vez sozinha, frente àquela porta inoportuna, procurei rapidamente os livros que necessitava e a mesa do canto mais distante e discreto. Tarde demais. Um puxão na minha camisola de manga curta de algodão, fez-me parar. Ao lado, sentado a uma das mesas centrais, estava um amigo meu, um ano mais velho, filho de um colega do meu pai. Trocámos algumas palavras, olhando, de vez em quando, para a entrada e à volta, para nos certificarmos que não estávamos a incomodar os presentes. Ninguém pareceu dar pela nossa conversa, a não ser um rapaz que, de vez em quando, e parecendo ter dificuldades em se concentrar, nos olhava sem rancores visíveis. Segui o meu caminho, rumo ao recanto descoberto minutos anos, e mergulhei no refúgio imaginário de uma das minhas autoras favoritas. O tempo voou. Uns toques ligeiros no meu ombro, e um sorriso afável, avisaram-me que tinha chegado hora. Olhei à volta e reparei que todos se levantavam e arrumavam as cadeiras, junto das mesas imperceptivelmente. Levantei-me, acompanhada dos livros que queria requisitar e dirigi-me à recepção, sempre seguida do meu inesperado acompanhante. Acabados os trâmites necessários, saímos para a tarde morna daquele fim de dia de verão, falando e rindo abertamente.

Fátima Nascimento


publicado por fatimanascimento às 09:50
Terça-feira, 06 de Maio de 2008
Os meus filhos mais velhos chegam a casa e, com o pouco à vontade que os caracteriza, na matéria dos afectos, às vezes, lá vão desabafando que fulano ou fulana tal gostam deles. Acho piada ao embaraço que demonstram nestas situações, como se não soubessem como agir convenientemente. A nossa conversa, às vezes, parece ajudá-los. Eu, para ser franca, nunca dei muita importância a este tipo de situações, desdramatizando-as, e colocando-as à luz daquilo que são verdadeiramente – situações naturais da vida. E, como tal, devem ser encaradas não só pelos envolvidos como pelos que os rodeiam. Muitas vezes, a minha resposta à conversa deles era “Mais vale gostarem do que odiarem. Garanto-vos!” E é verdade. Se eu percorrer, de volta, os caminhos das minhas memórias, lembro-me do tabu que era uma situação destas e do modo como garotas mal intencionadas se aproveitavam destas situações naturais, para expor publicamente as outras gaiatas.
Foi no tempo em que os rapazes podiam fazer tudo que nada lhes ficava mal e as raparigas tinham de ser recatadas.
Quando saí da escola primária, nada sabia sobre afectos. O único que eu conhecia era o sentimento de amizade que nutria pelos meus companheiros, vizinhos de brincadeiras. Lembro-me, ainda na escola primária, durante o recreio, de os avistar, ao longe, do outro lado da estreita rua que separava, por sexo, as duas escolas, e acenar-lhes. Era estranha aquela situação. Brincávamos todos, na rua, no amplo espaço verde, por trás das nossas casas e, ali, aquela inexplicável separação forçada. Lembro-me das nossas batas apertadas atrás, todas de um algodão branco imaculado, só diferentes das dos rapazes nos botões que desciam, à frente, do ombro até uns centímetros acima dos joelhos. Como os horários eram semelhantes, muitas vezes, íamos todos, em grupo, para casa. E eram ainda uns quilómetros, sempre a subir, até à zona alta, onde vivíamos no mesmo bairro, adornado de pequenas vivendas, cuja rua estreita, de terra batida, terminava em duas curvas apertadas, virando em direcções opostas. Terminada a última curva, nós estávamos em território nosso. Era, ali, que se desenvolviam as nossas brincadeiras, muitas delas, em conjunto.
Já no ciclo, ainda mais longe de casa do que a primária, foi quando tudo começou. As minhas colegas andavam excitadas e as conversas giravam, muitas delas, em torno do mesmo tema – os rapazes. Eu não via nada de novo nesta matéria e começava a aborrecer-me com as confidências amorosas. Não me diziam nada. Mas era pegar ou largar. Eu tinha de arranjar um afecto, à pressa, para não ficar isolada. Como provavelmente em todos os afectos, há aqueles que são comuns a mais do que uma miúda. Logo, por portas e travessas, as conversas chegavam aos ouvidos dos visados. Vi-me envolvida em intrigas, em desprezos, em ódios… adolescentes. Eu, que não ligava a nada daquilo e só tinha um afecto para não ficar excluída do grupo, via-me envolvida em situações novas e estranhas. Abrira-se, ali, um mundo totalmente novo, que nada tinha a ver com aquele mundo seguro e descontraído, que, até então, conhecera. Este novo mundo, regia-se por leis diferentes, totalmente desconhecidas por mim. Nem irmãs ou irmãos mais velhos eu tinha que pudessem orientar-me, como as minhas vizinhas de casa e de escola tinham. Andava um pouco ao acaso. Mas, como o interesse nesse assunto era relativo, nunca me preocupei. Até começar a ter problemas reais que pareciam perseguir-me. Cheguei a odiar a minha primeira escolha, por toda a situação criada à volta do meu suposto afecto por ele. Recordo-me vagamente do rapazinho gordo, de cara redonda e simpática que se transformara com a vaidade de se saber alvo de um especial afecto por mim. Já não me lembro se lhe escrevi algum daqueles bilhetinhos, tão vulgares na época, escritos em folhas arrancadas dos dossiers, e dobradas não sei quantas vezes, como se quisesse guardar bem o segredo que, depois da entrega, seria divulgada aos sete ventos. Odiei a situação toda, odiei-o… Após esta má experiência, pensei em nunca mais me meter noutra situação semelhante. Mas enganava-me. Um amigo e vizinho ajudou-me a ultrapassar essa situação, que ele próprio reconhecia ser má. O que ele não compreendia, era o meu ódio pelo primeiro alvo dos meus afectos, que, depois da confusão do primeiro ano, admitia que desenvolvera um afecto verdadeiro por mim. Não quis saber. Muito negativamente marcada por todo aquele reboliço, arredei-me um pouco daquela confusão. Como eu e o meu amigo de infância andávamos, muitas vezes, juntos, passei os meus sentimentos para ele. O mesmo inferno se desenhou à minha volta, até me terem avisado que o meu nome estava escrito na madeira velha de um portão mais ou menos nestes termos. "A Fátima do polícia gosta do …" Pois! Já não se pode gostar de alguém sem que se metam na nossa vida! A vida é minha e, se gosto de alguém, o assunto não diz respeito a mais ninguém. Comecei a defender esse direito. Daí a pouco, os meus pais, alertados para a situação, juntaram-se à minha causa, confusos com tanto reboliço em volta de mim. Sei que ganhámos. As pessoas pareceram despertar do seu estado de hibernação moral, para reconhecerem, naquela frase, e em quem a escreveu, não só má vontade como também maldade. O caso mexeu com as pessoas, de tal forma, que se descobriu a autora e o motivo que a levara a escrever aquilo. Não sei se foi ela que apagou a frase, ou se foi o vizinho a quem pertencia o portão alto de estrutura frágil. Foram emocionalmente esgotantes as primeiras andanças na vida afectiva pelo sexo oposto. Ainda bem que os tempos facilitaram a vida, pelo menos, às jovens…


publicado por fatimanascimento às 03:17
Sexta-feira, 12 de Outubro de 2007
-Vamos bater à porta do senhor Patrício para ver se ele tem chupa-chupas?
Era assim que nós, os miúdos, víamos aquela figura carismática. Um senhor simpático, quase sempre alegre e bem disposto que sempre nos fazia uma festa na cabeça, quando nos encontrava. A sua simpatia foi sempre retribuída por nós que, quando o víamos chegar no seu volkswagen branco a gasóleo, largávamos a brincadeira para o ir cumprimentar. A partir de um certo dia, ele passou a trazer-nos rebuçados e, a partir daí, eles eram a desculpa para o incomodarmos nos seguintes.
De figura alta e esguia, o andar ligeiramente desequilibrado devido ao seu problema no joelho, apoiado quase sempre na sua inseparável bengala, sempre elegantemente vestido, de cabeça rapada e luzidia, deixando ver algumas veias de tom azulado, o rosto longo de onde se destacavam uns olhos profundos e inteligentes, de um azul claro electrizante, com uma personalidade forte e enigmática, de uma rectidão traçada à linha, este grande senhor, marcou-me enquanto pessoa.
Meu vizinho, alojado no rés-do-chão esquerdo, frente à porta da entrada da minha casa, desde a minha mais tenra infância, eu cresci à sua sombra como uma flor protegida pela grande árvore. Ele seguiu, de muito perto, o meu crescimento. As nossas conversas, ao entardecer, quando ele chegava a casa, muitas vezes cansado e aborrecido, com os seus problemas que eu adivinhava serem muitos e perturbadores, marcadas pela serenidade e a inteligência das suas observações, ajudaram-me a encarar a vida como eu, ainda hoje, a encaro, com a mesma rectidão e a convicção dele e, sobretudo, sem medo. Este homem, de convicções claras, sempre as defendeu em todo o lado com a mesma paixão e sabedoria que sempre o caracterizaram. De espírito jovem e alegre, a sua paixão pela natureza e o gosto pela jardinagem, faziam do seu jardim um conto de fadas. Lembro-me de, muitas vezes, ele me surpreender a admirá-lo. Entrava sorrateira, não por causa dele, mas das vizinhas sempre atentas ao que se passava à sua volta, e que poderiam interpretar mal a minha presença no seu jardim encantado, e admirava cada flor, a tonalidade da sua cor, e tocava com os meus dedos pequenos e rechonchudos, a leveza e a macieza de cada pétala. Sentia-me protegida, naquele encantado mundo natural, por ele criado. Este seria, mais tarde, trocado pela sua vasta biblioteca da qual ele escolhia algumas obras, para eu ler. Também ali, eu contactei com um mundo, até então, desconhecido para mim. Autores conhecidos, nacionais e internacionais, outros para mim ainda desconhecidos, deram-me uma outra visão do mundo, para mim ainda completamente nova. Entrava também, pela sua mão, num mundo encantado – o das letras. Fui das poucas pessoas a quem ele abriu as portas da sua casa. Movimentava-me nela como na minha própria casa. Cada ideia, encerrada dentro de cada livro, era debatida por nós até à exaustão ou até onde o tempo nos permitia. Profundamente culto, inteligente e viajado, ele falava com conhecimento de causa sobre toda a matéria abordada. E não havia tabus nas nossas conversas. Adorava conversar com ele. O mundo, ao pé dele, parecia seguro, deslumbrante e um desafio maravilhoso. Ele sempre me incitou a pisar sem medo o chão, acreditou em mim, antes de eu própria o fazer, e quando os meus pais me aconselhavam cautela, ele sempre acreditou e me incitou a andar para a frente, o que me levava a crer que ele me conhecia melhor do que eu própria ou os meus próprios pais, naquela altura. Ainda hoje, a sua imagem é um exemplo na minha vida, por vezes conturbada. Foi, é e será sempre uma figura marcante na minha vida. Foi meu amigo, meu vizinho, meu mentor… foi um segundo pai, para mim. Foi um exemplo para todos nós que tivemos o privilégio de o conhecer e privar com ele. Foi um homem que deixou, pelo seu exemplo de vida, uma presença inextinguível na vida de quem o conheceu bem. Bem haja, por isso!
É com o pensamento nublado pelas lágrimas da saudade que eu o recordarei… para sempre!


publicado por fatimanascimento às 16:32
Terça-feira, 28 de Novembro de 2006
muitos anos atrás, eu vivi numa pequena localidade, onde o espaço, o ar puro e a alegria não faltavam. Todo o meu imaginário está ligado àquela terra, especialmente à zona alta da mesma, onde vivi enquanto ali permaneci. Toda a vizinhança se conhecia, todos se falavam e viviam uma existência alegre e despreocupada. Foi neste clima que vivi a minha infância, junto aos meus vizinhos e companheiros de brincadeiras (o Majó, a Paula Tavares, o primo desta, o Carlos Manuel, também conhecido por "Vences", a Paula Saraiva, a Isabel Matos, o Paulo Paulino, o João Pedro Santos, o Cruz, O Zé Carlos... e o Kimba, o nosso cão de raça indefinida, de cauda muito curta, todo negro à excepção da sua mancha branca do pescoço, que fazia lembrar uma gravata.
Adoptámos o cão, dávamos-lhe de comer e... foi o amigo mais fiel que se possa imaginar! Diria mesmo devotado! Acompanhava-nos em todas as brincadeiras malucas que inventávamos. Mais tarde, quando fomos para escola e, depois, para o ciclo, ele acompanhava-nos durante os cerca de 2 km de trajecto, esperava por nós e acompanhava-nos no regresso a casa. Quantas vezes saímos do recinto da escola para o ir defender de miúdos que o agrediam...a ele que adorava miúdos! A imagem dele acompanha-me sempre protegendo-me como sempre fez... foi o único amigo que nunca me defraudou! Quando chegámos à juventude, já não queríamos que ele nos acompanhasse, então, ele virou-se para geração seguinte, acompanhando-a tal como fizera connosco... com a mesma devoção! Quando nos juntávamos, a geração a seguir à nossa fazia questão em nos seguir, e quando nos separávamos, ele percorria a sua indecisão no espaço que separava os dois grupos – o dos mais velhos e o dos mais novos. Quantas vezes ele não se sentiu dividido entre nós e a nova geração? Se nós tivemos sorte nalguma coisa foi, sem dúvida, no espaço que circundava as nossas casas. Do lado da porta da cozinha, para lá dos muros do meu quintal, da ruela em terra batida e semeada de pedras brancas, e de um espaço amplo, coberto de erva que cercava o poço, havia um olival, com algumas figueiras à mistura. Ao lado do prédio onde eu vivia, para lá do carreiro largo, cheio de poças largas e fundas, havia outro olival que acompanhava este carreiro até ao final do mesmo, igualmente salpicado de figueiras de figos pretos e verdes, ao fundo deste, do lado esquerdo, iniciava-se outro carreiro que nós chamávamos “Carreiro das Cobras”, que confinava com as marcas das quintas que ali existiam (e existem!). Este ligava a uma estrada larga de duas faixas, por nós conhecido como auto-estrada, que limitava o olival a oeste. Junto das bermas da “auto-estrada” encontravam-se as bombas da sonap (hoje propriedade da Galp) e o café, que ainda hoje existe, embora modificado. Eram agradáveis os passeios no verão até lá, embora não precisássemos de ir tão longe… Lembro-me com saudade, do mês de Junho e dos santos populares, altura em que os irmãos mais velhos dos meus amigos de infância iam apanhar lenha, rosmaninho,… para fazer a fogueira que acendiam na noite em que se festejava o dia dedicado a cada santo. Como nós ansiávamos por essa ocasião! Lembro-me de saltar de mãos dadas com os meus amigos de infância ( a Dulce, o Fernando e a Alicinha) atravessando as altas labaredas coloridas e perfumadas… sinto ainda a excitação provocada pelo medo e como apertávamos as mãos uns dos outros e como nos lançávamos através da cortina de fogo e da satisfação por termos conseguido ultrapassar aquela barreira! As vozes dos pais gritando conselhos e supervisionando os nossos saltos. Lembro-me da música que nós ouvíamos naquela década de setenta e que ainda hoje ouço e que me trazem recordações adormecidas há muito. Lembro-me da capela do largo de Santo António, cuja capela tinha o mesmo nome, uma das mais belas que eu já conheci, e onde me gostaria ter casado um dia… conheci os cantos àquela capela, mesmo os recantos que outros nunca chegaram, nem chegarão, a ver. A parte frontal do meu prédio ficava virado para o largo e a capela, do lado direito do mesmo, marcava o início do olival… Lembro-me da festas de Santo António, das marchas, da procissão, a chegada e venda das fogaças… Era uma semana durante a qual os cheiros se misturavam com a música e as luzes… Nas traseiras da minha casa, alheados a toda a confusão, os pirilampos passeavam as suas luzes esverdeadas e intermitentes. Cansados do reboliço da festa, refugiávamo-nos naquele mundo feérico, observando e brincando com aqueles seres tão luminosos. Pouco a pouco, esse espaço desapareceu, foram cortando as árvores, construindo moradias e prédios e, hoje, o Bairro de Santo António, quase irreconhecível, bate-se contra o atrofiamento em que o deixaram…


publicado por fatimanascimento às 08:45
mapa anual
Visit http://www.ipligence.com
Mapa diário
mais sobre mim
Dezembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


links
pesquisar neste blog
 
contador
leitores on line
subscrever feeds
blogs SAPO